quarta-feira, 23 de agosto de 2017

Retrospectiva 15 anos Tumucumaque: “Era impressionante sentir as vibrações sonoras da biodiversidade”, diz geógrafo sobre o Parque


Bruno Reis é mestre em gestão territorial

“Parafraseando Cazuza, foi como se eu matasse saudade do que eu não tinha vivido. Um (re)encontro com minha ancestralidade”, disse o mestre em Gestão Ambiental e Territorial, Bruno Reis, 36 anos. O Geógrafo passou duas noites no Centro Rústico de Vivência, durante uma expedição de 10 anos no Parque Nacional Montanhas do Tumucumaque (PNMT).


“Era impressionante sentir as vibrações sonoras da biodiversidade as noites e durante os dias... Uma sonoridade que conduzia à expansão da minha percepção sobre o lugar. Nunca tinha vivido nada parecido”, relata.

Bruno relembra que seu primeiro contato com o Tumucumaque foi em 2003, durante a graduação em geografia, quando fez um trabalho acadêmico falando sobre Unidades de Conservação (UC). “Escolhi o PNMT por ter sido recém decretado e ser a maior área protegida com floresta tropical do mundo”, afirma.


Dez anos depois, um dos sonhos de quem era apaixonado por floresta tropical, se tornava realidade: Bruno volta atuando como profissional.  Em 2012, em comemoração aos 10 anos do Parque, ele apresenta a proposta do Projeto Biodiversidade nas Costas para o conselho consultivo do PNMT.


O Geógrafo relata que suas experiências no Tumucumaque lhe tornaram uma pessoa melhor:

“A imensidão da Amazônia no PNMT me deu muito sobre minhas limitações e potencialidades de ser humano, sem dúvida. Existe o meu antes e o meu depois do Parque Nacional Montanhas do Tumucumaque”, comenta.

Biodiversidade nas costas


O projeto foi realizado entre 2013 e 2015. O material pedagógico, composto por seis publicações, foi elaborado pelo WWF-Brasil, como parte do projeto BNC-Tumucumaque, em parceria com professores e alunos dos cursos de geografia e de biologia da Universidade Federal do Amapá (Unifap) e o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio).


“Foram produzidos livros paradidáticos, guias de sociobiodiversidade, jogos pedagógicos, inclusive para educação especial, revista em quadrinhos, de maneira participativa com docentes e discentes da Unifap, através de dois cursos de extensão universitária - Geografia e Ciências Biológicas - e professores-estudantes da Plataforma Paulo Freire, além dos especialistas das equipes do WWF, ICMBio e Ecocentro IPEC”, explica.


Bruno conta que o Parque foi um marco durante sua atuação no bioma. “Cada vez que abro a mochila Biodiversidade nas Costas-Tumucumaque, leio cada material, sinto que valeu a pena cada passo até chegar ali, no Tumucumaque”, ressalta.


Ficou curioso para conhecer a coleção do Biodiversidade nas Costas? Baixe a versão em PDF dos materiais didáticos abaixo:










Nenhum comentário: